Pesquisa

MAYRA PIRES ALVES MACHADO

Título do Projeto: Mindfulness Adjunto ao Tratamento Ambulatorial de Transtornos por Uso de Substâncias

Resumo: Os transtornos por uso de substâncias (TUS) é uma condição crônica com impacto em diversas esferas da vida do indivíduo e da sociedade, cujo tratamento é acompanhado de recorrentes episódios de lapsos e recaída. O protocolo de Prevenção de Recaída Baseado em Mindfulness (MBRP) é uma intervenção inovadora nos Estados Unidos com evidências de prevenir recaídas, mas faltam estudos brasileiros principalmente nos contextos de tratamento. Os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS ad) são os principais serviços públicos brasileiros de atenção ambulatorial. Objetivo: estudar a viabilidade do MBRP como intervenção terapêutica adjunta ao tratamento público ambulatorial para pessoas com TUS, por meio de indicadores de aceitação e demanda, implementação, integração e expansão. Métodos: O objetivo foi investigado por meio de dois estudos. O primeiro trata-se de um estudo com método misto em 8 CAPS ad do município de São Paulo. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas, grupos focais e diário de campo, realizados com 140 usuários, 24 profissionais, 7 gestores e 4 especialistas. Também foram aplicados escalas e questionários antes e após a intervenção. O segundo é um piloto de um ensaio pragmático randomizado controlado em 2 ambulatórios vinculados à uma instituição de ensino superior, com follow-up de 3 meses. Os dados qualitativos passaram por análise de conteúdo, enquanto os quantitativos por análise de correspondência e modelos lineares generalizados. Resultados: O estudo 1 indicou boa aceitação e satisfação com relatos de benefícios relacionados à promoção de saúde mental e redução de reatividade, impactando no comportamento de consumo. Foi possível aplicar a intervenção, mas desafios percebidos pelos usuários apontam para necessidade de adaptar o formato para um aberto e contínuo, especialmente em se tratando de populações mais vulneráveis. Houve interesse dos profissionais de integrar nos CAPS ad, havendo demanda e se adequando à infraestrutura, cultura e cronograma dos serviços. Entretanto, para isso é necessário tornar a capacitação profissional mais acessível. O estudo 2 trouxe evidências da efetividade do MBRP para quadros importantes de saúde mental tais como sintomas de ansiedade, depressão e agressividade, mas não para comportamento de consumo. Considerações finais: O MBRP se apresentou como intervenção viável enquanto adjunta ao tratamento ambulatorial nos CAPS ad, mas algumas adaptações são necessárias. Pesquisas futuras devem investigar mudanças no formato do protocolo e da capacitação profissional, avaliar a efetividade e a expansão para demais contextos de tratamento ou populações, bem como fazer análise de custo-benefício para sua implementação na rede pública.
Concluído: 2019
MACHADO, Mayra P. et al. The contribution of mindfulness to outpatient substance use disorder treatment in Brazil: a preliminary study. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 42, p. 527-531, 2020.

 

ITAMAR JOSÉ FELIX JUNIOR

Título do Projeto: Efetividade da prevenção de recaídas baseada em mindfulness como adjunto ao tratamento de transtorno por uso de substâncias: um ensaio clínico controlado e randomizado.

Resumo: O Transtorno por Uso de Substâncias (TUS) apresenta-se como um problema de saúde pública com muitos desafios, entre os quais o tratamento incorrer com frequência em processos de recaída. O programa de Prevenção de Recaídas Baseado em Mindfulness (MBRP) foi especificamente desenhado para atuar nos processos subjacentes ao ciclo de recaída. O presente projeto tem por objetivo principal avaliar a efetividade do MBRP em comparação ao tratamento usual em serviços de internação para redução ou cessação do consumo de substâncias em pacientes com TUS um ano após a aplicação da intervenção. O delineamento do estudo é um ensaio clínico controlado e randomizado, com uma amostra estimada em 160 pessoas, entre homens e mulheres, acima de 18 anos e que estejam em tratamento para TUS em Comunidades Terapêuticas (CTs) no Estado de São Paulo. As diferenças entre os grupos em relação aos desfechos são verificadas utilizando escalas de autopreenchimento assistido com medidas quantitativas avaliadas em quatro tempos distintos: antes da intervenção (T0), imediatamente após a intervenção (T1), seis meses (T2) e 12 meses (T3) após a intervenção. Os instrumentos utilizados levantam parâmetros sociodemográficos, de padrão de consumo, ansiedade e depressão, raiva, impulsividade e autocompaixão nos T0 e T1, tendo sido adaptados para entrevista telefônica a partir do T2 as questões sobre consumo, práticas de mindfulness e raiva, bem como a inserção de perguntas específicas sobre o impacto da pandemia no consumo de substâncias. As análises dos dados envolve Análise de Variância com Medidas Repetidas para comparação do grupo controle e intervenção sobre os desfechos primários e secundários ao longo do tempo, modelos de regressão logística para avaliar relação de predição e alteração entre variáveis independentes (tais como nível de mindfulness) em desfechos específicos (tais como padrão de consumo e impulsividade, manejo da raiva, fissura, etc.), bem como modelos de equação estrutural para avaliar mediação e moderação dessas variáveis sobre o desfecho de consumo.
Palavras chave: Transtornos por uso de substâncias, prevenção de recaídas baseada em mindfulness, ensaio clínico controlado randomizado.

Projeto em andamento em fase de coletas telefônicas, com previsão de término para abril de 2023. A amostra alcançada foi de 165 sujeitos. Atualmente se trabalha na escrita de artigos científicos sobre Mindfulness em Comunidades Terapêuticas (Revisão Sistemática) e Mindfulness, Raiva e Compaixão.

A pesquisa conta com financiamento da FAPESP Processo número: 2019/01767-0

 

JOYCE SALGADO SANTOS

Título do Projeto: Efeitos adversos e fatores relacionados ao abandono do protocolo MBRP (Mindfulness-based Reactivity Prevention) versão on-line: um estudo de métodos mistos com universitários

Resumo do Projeto em Andamento: Este projeto está integrado a um ensaio clínico randomizado controlado: “Viabilidade e efeitos da Versão On-line do Protocolo Prevenção de Reatividades Baseada em Mindfulness (MBRP) adaptado para Universitários” que visa analisar a viabilidade da adaptação on-line do protocolo MBRP. O protocolo MBRP vinha sendo oferecido em sua versão presencial, desde 2017, pelo projeto de extensão “Ser Unifesp” do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). A versão on-line, desenvolvida recentemente para adaptação ao período de distanciamento social, está sendo foco de estudo do pós-doutorado de Ana Cristina Atanes e mestrado de Beatriz Iannota.
O mestrado proposto neste projeto trata especificamente de analisar possíveis efeitos adversos das práticas referidos pelos participantes ao longo do processo, bem como analisar os fatores associados ao abandono entre aqueles que desistirem. Os resultados serão utilizados para aprimorar a triagem de participantes e o protocolo de cuidado para aplicação do MBRP on-line.

 

ISABEL CRISTINA WEISS DE SOUZA

Título do Projeto: Avaliação da Efetividade do Programa de Mindfulness Based Relapse Prevention (MBRP) Como Estratégia Adjunta ao Tratamento da Dependência de Tabaco

ResumoApesar da relativa eficácia de tratamentos comportamentais e farmacológicos, a vasta maioria de fumantes tende a recair após tentativas de parar de fumar. A regulação emocional e comportamental subsequente à cessação do consumo parecem ser fatores de risco para recaídas, tornando-se necessário pesquisar sobre modelos terapêuticos que estimulem a habilidade de resposta aos afetos negativos. O programa Mindfulness-Based Relapse Prevention como adjunto ao tratamento para abuso de substâncias, vem apresentando resultados promissores neste sentido. Mas ainda não foi testado para tabagismo. O objetivo geral desta dissertação foi avaliar o programa de Mindfulness-Based Relapse Prevention como adjunto no tratamento de cessação do tabagismo instituído pelo Ministério da Saúde, por meio do Instituto Nacional de Câncer no Brasil. A tese se divide entre 3 estudos, sendo o primeiro uma revisão de literatura que visou avaliar o estado da arte das pesquisas clínicas envolvendo mindfulness na cessação do tabagismo, já publicado. Um segundo estudo de delineamento transversal, do qual participaram 116 pacientes que estavam em uma lista de espera para tratamento da dependência de tabaco pela primeira vez. Neste foram utilizadas as escalas Fagerstrom Test for Nicotine Dependence, Hospital Anxiety and Depression Scale, Five Facet Mindfulness Questionnaire-BR e The Positive and Negative Affect Schedule. Foram realizadas análises descritivas para caracterizar a amostra. Em seguida foram realizadas análises de correlação bivariada de Pearson entre a variável desfecho (mindfulness disposicional) e cada variável explicativa: ansiedade, depressão, afeto positivo, afeto negativo e nível de dependência de tabaco. O modelo de regressão linear foi adotado a fim de avaliar a contribuição de cada uma das variáveis quando controladas pelas demais. Os resultados do modelo de regressão final indicaram que 36,2% da variância dos níveis de mindfulness disposicional na amostra podem ser explicados por afetos positivos (B = 0,81; p < 0,001), nível de dependência de tabaco (B = 1,48; p = 0,007) e afetos negativos (B = -0,44; p = 0,02). Depressão e ansiedade não foram incluídas no modelo final (p > 0,10). Este estudo 2 confirmou a associação entre mindfulness disposicional, níveis de dependência do tabaco, afetos positivos e afetos negativos entre pessoas que procuram tratamento pela primeira vez. O Estudo 3 apresenta resultados de um ensaio pragmático piloto randomizado xi comparando pacientes que receberam 8 sessões de Mindfulness-Based Relapse Prevention além do tratamento padrão instituído pelo Ministério da Saúde no Brasil, que segue princípios da Prevenção de Recaída, com pacientes que receberam apenas prevenção de recaída. 86 fumantes foram randomizados entre grupo Mindfulness-Based Relapse Prevention (n = 44) e grupo controle ativo de prevenção de recaída (n = 42). Dados foram coletados no baseline, pré-intervenção, pósintervenção e em follow up de 6 meses, em relação à abstinência (Fagerstrom Test for Nicotine Dependence e medição do nível de CO pelo Smokerlyser), à ansiedade e depressão (Hospital Anxiety and Depression Scale), à fissura (Questionnaire on Smoking Urges), aos níveis de mindfulness (Five Facet Mindfulness Questionnaire), afetos positivos e negativos (The Positive and Negative Affect Schedule). Análises descritivas foram feitas através de apresentação de medidas de proporção, tendência central e dispersão. Para avaliar a diferença entre os grupos utilizou-se teste exato de Fisher, o teste T de Student e o teste exato de McNemar. Considerando a alta taxa de dropout, adotou-se para nas análises o método de intenção para tratamento (Intention-To-Treat). Adicionalmente, avaliou-se a razão do número de pacientes abstinentes em cada grupo com o número de pacientes que estavam fumando após 6 meses da avaliação inicial. A análise dos desfechos secundários foi realizada através da Anova de medidas repetidas. Não foi possível encontrar diferença estatística em relação à abstinência em 6 meses comparando o grupo Mindfulness-Based Relapse Prevention e o grupo controle ativo. Contudo, na análise dentre participantes, o grupo MBRP apresentou uma tendência de vantagem no período com relação a evolução das taxas de abstinência (McNemar's 2 = 3.27, df = 1, p = 0.07), uma vez que para cada paciente abstinente apenas um paciente recaiu enquanto no grupo controle ativo, para cada paciente abstinente, três recaíram (McNemar's 2 = 19.05, df = 1, p = 0.005). Com relação aos desfechos secundários, o grupo Mindfulness-Based Relapse Prevention também exibiu uma tendência à diminuição da fissura (M = 17,583; 95% IC (4.537 | 30.629); p = 0.01), com aumento nos níveis de mindfulness (M= -7.833; 95% IC (-14.065 | -1.601); p = 0.016) comparando pré e pós-intervenção. Este estudo demonstra benefícios de Mindfulness-Based Relapse Prevention como adjunto ao tratamento padrão para cessação de tabaco.

 

VÍVIAM VARGAS DE BARROS

Título: efeitos de mindfulness no padrão de uso crônico de hipnóticos e na insônia entre mulheres insones que buscam por tratamento, ano de obtenção: 2017.

Resumo:  Objetivos: 1) Avaliar o perfil de mulheres usuárias crônicas de hipnóticos que buscam por tratamento e a associação entre dispositional mindfulness e a dependência de hipnóticos nesta população 2) avaliar o impacto do programa Mindfulness-Based Relapse Prevention (MBRP) na insônia e na cessação ou redução do uso de hipnóticos nesta população ao longo de seis meses pós intervenção em ambiente clínico de pesquisa. Métodos: A pesquisa foi composta por dois estudos. O Estudo 1, de caráter transversal, compreendeu uma amostra de 76 mulheres, residentes no município de São Paulo, em uso crônico de hipnóticos, que voluntariamente procuraram o programa MBRP para a redução ou cessação do uso de hipnóticos após divulgação do projeto em mídias diversas. Foram coletadas informações sobre dados sociodemográficos, níveis de mindfulness (FFMQ-BR), dependência de hipnóticos (BENDEP-SRQ-PV), severidade da insônia (ISI) e traço de ansiedade (IDATE-T). O Estudo 2 caracterizou-se como um ensaio clínico randomizado, sendo realizado a partir das mulheres participantes do Estudo 1. Após 6 desistências, 70 participantes foram randomizadas entre grupo intervenção – GI (36), que recebeu o programa MBRP; e grupo controle- GC (34) do tipo lista de espera, o qual recebeu monitoramento telefônico sobre o uso de hipnóticos durante as 8 semanas, de maneira similar ao GI. Previamente à intervenção, ambos os grupos passaram separadamente por avaliação psiquiátrica individualizada para indicação de retirada do hipnótico e para uma intervenção psicoeducacional em grupo (Entrevista Motivacional) sobre o uso crônico de hipnóticos. As medidas foram repetidas aos dois, quatro e seis meses após a intervenção, totalizando oito meses de follow-up. Concluíram o estudo, 28 participantes do GC e 23 participantes do GI. Resultados: Estudo 1 - A maioria da amostra (85,3%) fazia uso de hipnóticos sob prescrição médica, sendo que, destes, em 55,6% dos casos o médico prescritor avaliava rotineiramente os efeitos do medicamento sobre o sono e os potenciais efeitos colaterais ou adversos do medicamento. Embora a maioria das mulheres participantes fizesse uso prescrito de hipnóticos, os índices de dependência variavam de alto a muito alto em todas as subescalas de dependência. O hipnótico mais utilizado foi o Hemitartarato de Zolpidem (41,3%) e a mediana de xviii tempo de uso de hipnóticos foi de 30 meses (IQR=51). Na linha de base, o nível de mindfulness, especialmente nas dimensões “observar” e “não reagir à experiência interna”, foi inversamente associado à dependência de hipnóticos em todas as dimensões, exceto à dimensão “consciência do uso problemático”. Estudo 2 - a partir dos dados do ensaio clínico, no T1 (imediatamente após a intervenção) foi observada redução da dosagem do hipnótico significativamente maior no GI comparada ao GC [b=2,22; IC (0,26;4,19) p=0,027]. Essa diferença deixou de ser significativa nos demais follow-ups, uma vez que o GC também continuou reduzindo o uso. Com relação à insônia, houve uma redução significativa da severidade no GI, em relação ao GC, nos follow-ups 3 [b=4,33; IC (1,75;6,91) p<0,001] e 4 [b=3,65; IC (1,07;6,22) p=0,005], mesmo quando o modelo foi ajustado pelo tempo, grupo, interação entre tempo e grupo, severidade da insônia na linha de base, ansiedade (traço), menopausa, gravidade dos sintomas decorrentes da menopausa e sintomas de depressão. Conclusão: As habilidades de mindfulness, especialmente observar e não reagir, mostraram-se como potenciais fatores de proteção para a dependência de hipnóticos no estudo transversal. Este dado foi corroborado pelo ensaio clínico, uma vez que a intervenção favoreceu a diminuição do uso de hipnóticos, contribuindo também para a redução da severidade da insônia em longo prazo. Estes dados trazem evidência preliminar da eficácia das Intervenções Baseadas em Mindfulness (IBM) no uso crônico de hipnóticos, abrindo uma nova possibilidade terapêutica para a diminuição do consumo inadequado desses medicamentos.

 

CAMILA SAYURI NAKAMURA YANO

Título: Traço de Mindfulness e Manejo da Raiva em Pessoas com Transtorno por Uso de Substâncias

Resumo: Pessoas que buscam tratamento para Transtorno por Uso de Substâncias (TUS) apresentam maior prevalência de histórico de violência. O traço de mindfulness é uma habilidade que tem se mostrado inversamente relacionada ao TUS e à agressividade nessa população. Considerando que o manejo da raiva é a base do comportamento agressivo e da violência, o objetivo desse projeto é investigar a relação entre o manejo de raiva e traço de mindfulness em pessoas que buscam tratamento ambulatorial para TUS. Para isso foi feito um estudo transversal com pacientes dos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS ad). As variáveis avaliadas foram o manejo da raiva, traço de mindfulness, características sociodemográficas, gravidade da dependência, fissura, depressão e ansiedade. Os resultados mostraram que há uma relação inversa entre o manejo da raiva e o traço de mindfulness , sendo que essa relação tem como moderadores a depressão e a ansiedade. A faceta de Mindfulness de agir com consciência foi a mais relevante e relacionou com todas as escalas e subescalas de raiva. Com isso, foi possível concluir que quanto maior o traço de mindfulness menor a expressão e maior o controle da raiva, sendo a principal faceta responsável por essa relação o agir com consciência.
Concluído: 2017

 

FERNANDA MAYUMI HIROSE

Título:

Resumo: Estudantes universitários são a subpopulação que mais consome álcool tanto no Brasil como em outros países. O consumo exagerado pode resultar em diversas consequências como lesões, acidentes de trânsito e prejuízos acadêmicos. Estudantes com pior saúde mental consomem mais e estão mais suscetíveis a consequências.
Pesquisas sugerem que níveis de traço de mindfulness se relacionam positivamente com saúde mental e, em geral, negativamente com impulsividade, considerada fator de risco para binge drinking e consequências do uso. Tendo em vista que, especialmente no Brasil, há lacuna de conhecimento sobre essas relações, considerado relevante para subsidiar programas preventivos, o presente projeto visa aprofundar a investigação sobre como os níveis de mindfulness e aspectos da saúde mental podem estar associados ao consumo de álcool e suas consequências entre estudantes universitários brasileiros. Serão convidados a participar do estudo universitários de instituições brasileiras, maiores de 18 anos, por meio de redes sociais. Será utilizado um questionário online, anônimo, para coleta de dados sobre traço de mindfulness (FFMQ (short)), uso de álcool (AUDIT-C) e consequências (RAPI-18), impulsividade (SUPPS-P), ansiedade e depressão (PHQ-4). Serão utilizados modelos de regressão linear e logística para identificar associações entre as variáveis.

ANA CRISTINA ATANES

Título: Versão Online do Protocolo de Prevenção de Recaída Baseado em Mindfulness (MBRP) Adaptado para Estudantes Universitários: Estudo de Viabilidade

Resumo: A população universitária é considerada de risco para transtornos mentais, se tornando ainda mais vulnerável com os desafios da pandemia COVID 19. As Intervenções Baseadas em Mindfulness (IBM) apresentam bons resultados para essa população. Porém, embora o distanciamento social tenha direcionado a comunicação para o ambiente virtual, ainda pouco se sabe sobre a viabilidade e efeitos de IBMs online. Nesse sentido, o objetivo desse projeto é estudar a viabilidade (adaptação estrutural, adesão e fidelidade) e efeitos referidos (individuais, relacionais e adversos) relacionados à prática da versão on-line do protocolo MBRP, adaptado para universitários. O protocolo MBRP on-line será oferecido a cerca de 10 a 12 grupos de até 18 estudantes cada, com encontros de 90 minutos semanais, por 8 semanas consecutivas. Os participantes responderão questionários de triagem com dados sociodemográficos e indicadores de saúde mental. Em todas as sessões de MBRP on-line serão realizados registros em diários de campo. Ao final, os voluntários participarão de entrevista coletiva e responderão um questionário de efeitos adversos. Aqueles que abandonarem a intervenção serão convidados a participar de uma entrevista telefônica individual. Os dados qualitativos serão inseridos no software Nvivo, para codificação, categorização e análise de conteúdo. Para os dados sociodemográficos e questionário de efeitos adversos, serão realizadas análises descritivas.

 

GIOVANA GALLO

Título: Efeitos de IBMS (Intervenções Baseadas em Mindfulness) no Bem-estar de Estudantes Universitários

Resumo: A saúde mental e o bem-estar de estudantes universitários tem sido o foco de muitas discussões, pesquisas e intervenções, visto que é uma população que precisa de especial atenção diante da alta taxa de desenvolvimento de transtornos mentais. Entre as técnicas propostas para a melhora do bem-estar dos universitários, está o Mindfulness.
Considerando-se que essa prática apresenta relação com alguns aspectos importantes no desenvolvimento de transtornos mentais, objetiva-se com esse trabalho investigar os efeitos de Intervenções Baseadas em Mindfulness (MBIs) no índice de gravidade de insônia, nível de estresse percebido, sintomas de ansiedade e depressão e consumo de substâncias em população universitária brasileira. Para isso, será realizado um estudo experimental controlado e randomizado com voluntários maiores de 18 anos de ambos os sexos. Está prevista uma amostra de 160 voluntários e os grupos apresentarão duração de 8 semanas, com encontros semanais, onde serão ensinadas as práticas de Mindfulness, seguindo protocolos adaptados para os quais os instrutores já foram treinados previamente.
Para a coleta de dados, será utilizado um questionário sociodemográfico, escalas de avaliação do constructo de Mindfulness (FFMQ), de consumo de substâncias (TLFB), o questionário de problemas relacionados ao consumo de álcool de Rutgers (RAPI), o Índice de Severidade de Insônia (ISI), a Escala de Estresse Percebido (EPS-10), sintomas de depressão (PHQ-9) e de traço de ansiedade (IDATE). A análise dos dados será realizada por regressão linear e logística para verificar possíveis associações, além de testes de mediação e moderação. CEP/UNIFESP: 0127/2019 - 3.272.471.

 

ANA PAULA GONÇALVES DONATE

Título: Efeitos do Mindfulness Based Relapse Prevention na Impulsividade de Pessoas com Transtorno por Uso de Substância em Comunidade Terapêutica.

Resumo: Avaliar os efeitos do programa Mindfulness-Based Relapse Prevention na impulsividade e na cognição implícita de pessoas em tratamento em uma comunidade terapêutica por Transtorno por Uso de Substâncias. Métodos: Foi realizado um estudo clínico randomizado e controlado em uma comunidade terapêutica. Foram randomizadas 86 pessoas em tratamento para Transtorno por Uso de Substância em dois grupos: grupo experimental e grupo controle. O grupo experimental recebeu a intervenção oferecida pela instituição, adjunto ao programa do Mindfulness-Based Relapse Prevention, enquanto o grupo controle continuou o tratamento conforme oferecido pela comunidade terapêutica. Foram coletados os dados sociodemográficos, tratamentos prévios, impulsividade, tomada de decisão, inibição de resposta, associação implícita de valência e associação implícita de motivação. Os instrumentos foram aplicados em dois momentos: antes da intervenção e após a intervenção. Foram conduzidos Generalized Linear Models a fim de avaliar o efeito da interação entre tempo e tipo de intervenção recebida. Resultados: A maioria da amostra foi composta por homens (87,1%), com idade média de 40,8 (±10.2) anos, tempo de abstinência de 43,5 (± 27,9) dias e 58,5% das pessoas não receberam tratamentos prévios. Quanto a substâncias problema, o consumo de álcool foi referido por 42,9%, cocaína/crack 28,6%, maconha 1,6% e poli usuários 20%. Antes da intervenção, a média de impulsividade do grupo experimental foi de 48,4 e, 48,0 pontos para o grupo controle. Após a intervenção, os grupos apresentaram a média de 45,1 e 43,4, respectivamente. Em relação a tomada de decisão, o grupo experimental apresentou melhora qualitativa, enquanto o grupo controle manteve seu resultado. Não foram encontrados efeitos para inibição de resposta e para associação implícita. A partir dos dados coletados no ensaio clinico com o grupo experimental comparado com grupo controle, não foram encontrados efeitos de interação entre tipo de intervenção e tempo para impulsividade, inibição de respostas e para cognição implícita. No entanto, o GE apresentou uma discreta melhora na tomada de decisão. Conclusões: Após protocolo de 8 semanas em uma comunidade terapêutica, foram observados indícios de melhora na tomada de decisão, e não foram observadas interações entre tempo e intervenção para os desfechos estudados. Estudos futuros são sugeridos com adaptações no programa de Mindfulness para essa população. 

Concluído: 08/2021.

 

ANGELICA NICKEL ADAMOLI
Título: Efeitos de uma Intervenção Baseada Em Mindfulness Sobre A Dor E Condições De Saúde De Pessoas Em Hemodiálise

Resumo: Esta tese aborda a mudança do estilo de vida em pessoas com insuficiência renal de estágio terminal (IRET) submetidas a hemodiálise (HD) e utilizou uma intervenção baseada em mindfulness (IBM) para manejo do estresse e qualidade de vida, denominada Programa Hemomindful como adjuvante ao tratamento usual. Em um primeiro momento é apresentada uma contextualização sobre o processo de escolha do tema, embasamento teórico e lacunas que justificam a realização do estudo. Logo são apresentados dados de prevalência, implicações da IRET e do tratamento de HD sobre as condições de saúde e estilo de vida que influenciam na baixa qualidade de vida dessa população. As IBM são apresentadas como uma possibilidade de intervenção promissora para melhora da saúde para população geral e clínica, bem como sobre sua utilização no tratamento da dor crônica. Por fim são apresentadas pesquisas que utilizam intervenções mente-corpo, especialmente o mindfulness com o objetivo de testar intervenções não medicamentosas que contribuam para a redução de estressores, melhora da qualidade de vida e a adesão das pessoas com IRET aos programas de tratamento. Assim, o objetivo principal desta tese é avaliar o efeito de uma IBM de 8 semanas adaptado para o contexto de HD sobre a dor e condições de saúde de pessoas com IRET. Para responder essa questão, desenhou-se um ensaio clínico randomizado de métodos mistos comparando o Programa Hemomindful combinado com o tratamento usual (TUsual), com o TUsual sozinho. Participaram 32 adultos com IRET, média de idade de 55 anos (DP=15,6) de um experimento com duração de cinco meses. Para responder os problemas de pesquisa que decorreram do objetivo principal, a tese desdobra-se em três artigos. Como principais resultados destacam-se indicadores positivos de viabilidade e segurança do protocolo de intervenção e a intensidade da dor percebida foi significativamente menor no acompanhamento de 3 meses para os participantes do grupo experimental em comparação ao controle. O Programa Hemomindful apresenta-se como um tratamento adjuvante a HD promissor para reduzir o sofrimento relacionado à dor e promover melhora de condições de saúde de pessoas com IRET. Além disso, os resultados dessa tese podem contribuir para ampliar investigações com esta abordagem na busca de um cuidado em saúde integral baseado em evidências para essa população
Palavras-Chaves: mindfulness, insuficiência renal de estágio terminal, hemodiálise, ensaio clínico, tratamento
Concluído: 31/05/2021


BEATRIZ IANNOTTA DA SILVA
Título: Avaliação dos Efeitos da Versão On-line do Protocolo MBRP (mindfulness-based Relapse Prevention) Adaptado Para Universitários
Introdução: A população universitária é considerada de risco para transtornos mentais e abuso de álcool, sendo mindfulness uma estratégia eficaz para o bem-estar desta população. Devido à pandemia da COVID-19, surge a necessidade de adaptar os protocolos para o formato on-line.
Objetivos: Este estudo tem como objetivo investigar os efeitos da versão on-line do protocolo adaptado de MBRP nos indicadores de estresse percebido, depressão, ansiedade, severidade da insônia, capacidade de autocuidado e abuso de álcool.
Métodos: Para tanto, foi realizado um estudo experimental controlado e randomizado, com uma amostra de 117 participantes entre 18 e 30 anos, matriculados em um curso da área da saúde nas universidades da grande São Paulo. Para a coleta foi utilizado o questionário sociodemográfico, e as escalas: Índice de Gravidade de Insônia (IGI); Escala de Percepção do Estresse (EPS-10); Questionário da Saúde do Paciente – 9 (PHQ-9); Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE); Escala para Avaliar as Capacidades de Autocuidado (ASA-A); Identificação de Distúrbio de Uso do Álcool (AUDIT), respondidas antes (T0) e após (T1) a intervenção. Os voluntários foram randomizados, alocados em Grupo Experimental (GE), que receberam a intervenção de 90 minutos semanais do protocolo de 8 semanas adaptado MBRP on-line por meio da plataforma de videoconferência "Zoom" e em Grupo Controle (GC), que aguardaram em uma lista de espera.
Resultados: Entre os estudantes (n=117), foi-se possível observar uma média de idade de 24,15 (+-3,059), a maioria dos indivíduos era do sexo feminino (88,40%), solteiros(as) (82,10%), estavam na graduação (63,40%) e eram matriculados em uma universidade privada (65,20%). Os dados quantitativos para a avaliação do efeito da intervenção ainda estão em análise, no qual espera-se que haja diminuição dos escores nas variáveis: depressão, ansiedade, estresse percebido, uso de álcool e insônia (p <0,05), também espera-se aumento dos scores na capacidade de autocuidado (p <0,05).
Conclusão: O estudo possui resultados preliminares descritivos e quando associados aos resultados esperados podem contribuir para a aplicação de um programa on-line de prevenção de abuso de álcool entre estudantes universitários

 

LARISSA CARVALHO SALETTI

Título: Os Efeitos do Mindulness Online no Sono de Estudantes Universitários em Meio a Pandemia de COVID-19
Resumo: A predisposição dos estudantes universitários a alterações no sono é crescentemente evidenciada na literatura, impactando negativamente na qualidade de vida e na performance acadêmica. Esses impactos foram acentuados na pandemia de COVID-19, evidenciando a necessidade de uma intervenção que pudesse ser implementada no contexto virtual de forma democrática. Nesta conjuntura, o Mindfulness online demonstrou contribuir com melhora na qualidade do sono e assim benefícios em outros aspectos do cotidiano. O presente estudo objetivou investigar e descrever os efeitos da versão online do protocolo adaptado MBRP no sono de estudantes universitários em meio a pandemia de COVID-19.
Caracterizado como um estudo randomizado controlado de métodos mistos, constituída por 112 estudantes universitários, de 18 a 30 anos, de ambos os sexos, medindo as fases e a qualidade do sono pré e pós intervenção, através do Índice de Gravidade de Insônia (IGI), entrevistas semi estruturadas e diário de campo. A análise feita no pelo Modelo Linear Generalizado Misto (GLMM) covariado pelas variáveis: de referência, sexo, escolaridade, instituição e idade, mostrou que houve efeito significativo do grupo controle com o experimental (p = < 0,001) do tempo antes e depois (p= 0,001) e da interação grupo e tempo (p= 0,000).Inicialmente, 29,9% do grupo experimental, de acordo com IGI, apresentava insônia clínica moderada para grave, reduzindo para 8,5% após a intervenção, sem nenhum relato de insônia clínica grave. Além disso, houve uma redução 25,5% na dificuldade de pegar no sono de moderada a grave e 12,7% na dificuldade de manter o sono de nível moderado a muito grave, sem nenhum relato do nível muito grave após a intervenção, ficando evidente nos relatos dos grupos focais a diminuição do tempo de latência do sono e o emprego de algumas práticas com a finalidade de dormir. Em relação à satisfação com o sono, 17% da amostra alegava estar muito insatisfeito, reduzindo a zero no final do protocolo. Os resultados indicaram que o Mindfulness online pode contribuir principalmente com a diminuição do tempo de latência do sono, melhora de sua qualidade, duração e consequente impacto positivo na auto percepção e satisfação com o sono.

Relatório PIBIC: concluído em março de 2022

Em andamento: apresentação no Congresso UNIFESP dia 28/06, terça-feira, 16h-17h30 -- Sessão 50, sala 2.

Contato

+55 (11) 1234-5678
meditanepsis@gmail.com
Siga as nossas redes sociais
Rua Napoleão de Barros, 925
Vila Clementino - São Paulo/SP
CEP: 04023-062


© 2013 2023 - Universidade Federal de São Paulo - Unifesp | Sobre o portal  | Comunicar erros no site

Please publish modules in offcanvas position.